agosto 24, 2016

Sabia que 70% do território mundial foi descoberto por Portugueses?



Algumas pessoas desconhecem que fomos precisamente nós, os portugueses, que em tempos desbravámos território indígena e deserto pelos quatro cantos do mundo, sendo esses sítios, agora, países, nações...

Há quem diga até que perdemos demasiado tempo nas descobertas e que, por isso, enquanto outros países se desenvolviam, nós ficámos um bocado parados no tempo e que isso ainda hoje se reflecte no estado em que está o nosso país.

territorio_portugues_descobrimentos

Os descobridores levaram com eles cultura e conhecimento, trouxeram de volta outras culturas e materiais exóticos de locais que naquele tempo eram considerados impossíveis de alcançar. O mundo mudou para sempre as suas fronteiras e configuração graças aos portugueses. Nasceram assim inúmeros países novos, os primeiros cidadãos do mundo que deixou entretanto de ser plano, como se acreditava ser naquele tempo. E mais houvesse para explorar, certamente os portugueses teriam lá ido!

Descobertas:

  • 1434 – Cabo Bojador

  • 1471 – Equador

  • 1488 – Cabo da Boa Esperança

  • 1498 – Índia

  • 1500 – Brasil

  • 1513 – China

  • 1522 – Austrália

  • 1542 – Califórnia

  • 1543 – Japão

  • 1550 – Nova Zelândia

Poema de Ruy Belo...


Ruy Belo

E TUDO ERA POSSÍVEL

Na minha juventude antes de ter saído
da casa de meus pais disposto a viajar
eu conhecia já o rebentar do mar
das páginas dos livros que já tinha lido.

Chegava o mês de maio era tudo florido
o rolo das manhãs punha-se a circular
e era só ouvir o sonhador falar
da vida como se ela houvesse acontecido.

E tudo se passava numa outra vida
e havia para as coisas sempre uma saída
Quando foi isso? Eu próprio não o sei dizer.

Só sei que tinha o poder duma criança
entre as coisas e mim havia vizinhança
e tudo era possível era só querer

Os famosos biombos Namban...

Os Portugueses vistos pelos Chineses e Japoneses

Chineses: "Pode dizer-se que o objectivo da vinda dos Fu-lang-Chi (portugueses) para a China foi o comércio (...). Estas gentes são altas e Têm grandes narizes. Os olhos são como os de gato e a forma da boca como o da águia. O pêlo cresce-les até nas costas das mãos e as suas barbas são vermelhas. Amam o comércio e, apoiados no seu poder militar, têm o hábito de invadir e oprimir os mais pequenos. Vão a qualquer sítio onde haja lucro (...) Sempre que surge uma disputa, apontam para o céu e juram dizer a verdade (...)."

Japoneses: "Estes homens são comerciantes (...) Bebem em copo sem o oferecerem aos outros. Comem com os dedos e não com pauzinhos como nós. São gente que passa a vida viajando de aqui para além, sem morada certa, e trocam os produtos que possuem pelos que não têm, mas no fundo não são má gente."

Pordata lança plataforma de estatísticas direcionada para crianças


pordata.png















Chama-se Pordata Kids e tal como a base de dados ‘mãe’ pretende dar a conhecer Portugal e a Europa através de números, percentagens e muitos dados estatísticos. A organização por temas – população, saúde, cultura e deporto, educação, ambiente, etc. – repete-se tal como acontece no Pordata. Mas toda a linguagem, imagem, apresentação e seleção de indicadores foram trabalhados de forma a serem acessíveis a crianças entre os 8 e os 12 anos, que tipicamente estão no 3.º ao 6.º anos de escolaridade.

Ver em:   Pordata    
Aqui encontras jogos divertidos  sobre a Pordata Kids e o nosso país. Explora-os!  
Conteúdo relacionado: Novidade Pordata KIDS, área escolas Pordata lança plataforma de estatísticas direcionada para crianças

agosto 23, 2016

Poema de Álvaro de Campos


"..Aproveitar o tempo!
Ah, deixem-me não aproveitar nada!
Nem tempo, nem ser, nem memórias de tempo ou de ser!...
Deixem-me ser uma folha de árvore, titilada por brisa,
A poeira de uma estrada involuntária e sozinha,
O vinco deixado na estrada pelas rodas enquanto não vêm outras,
O pião do garoto, que vai a parar,
E oscila, no mesmo movimento que o da alma,
E cai, como caem os deuses, no chão do Destino."


Álvaro de Campos

 

Três grandes escritores portugueses...


Fernando Namora,Miguel Torga e David Mourão-Ferreira

 Foto de Mário Ribeiro Caiado.

agosto 21, 2016

SOPHIA DE MELLO BREYNER ANDRESEN

SOPHIA DE MELLO BREYNER ANDRESEN, in OBRA POÉTICA (Ed. Caminho, 2010; Assírio & Alvim, 2015)

O MAR NOS MEUS OLHOS

Há mulheres que trazem o mar nos olhos
Não pela cor
Mas pela vastidão da alma
E trazem a poesia nos dedos e nos sorrisos
Ficam para além do tempo
Como se a maré nunca as levasse
Da praia onde foram felizes
Há mulheres que trazem o mar nos olhos
pela grandeza da imensidão da alma
pelo infinito modo como abarcam as coisas e os Homens...
Há mulheres que são maré em noites de tardes
e calma



Foto de Quem lê Sophia de Mello Breyner Andresen.

Poema de Fernando Namora

Terra

Onde ficava o mundo?
Só pinhais, matos, charnecas e milho
para a fome dos olhos.
Para lá da serra, o azul de outra serra e outra serra ainda.
E o mar? E a cidade? E os Rios?
Caminhos de pedra, sulcados, curtos e estreitos,
onde chiam carros de bois e há poças de chuva.
Onde ficava o mundo?
Nem a alma sabia julgar.
Mas vieram engenheiros e máquinas estranhas.
Em cada dia o povo abraçava outro povo.
E hoje a terra é livre e fácil como o céu das aves:
a estrada branca e menina é uma serpente ondulada
e dela nasce a sede da fuga como as águas dum rio.


Fernando Namora

 Foto de Mário Ribeiro Caiado.

agosto 20, 2016

O cérebro que trabalha 24horas, após 24 horas...


Dear Mind, please stop thinking so much at night... I need to sleep...

Lignino....sabe onde se encontra?

Sabe porque o cheiro dos livros antigos atraem tanta gente?
Por causa da lignino que os livros tem aquele cheiro maravilhoso de baunilha.
A lignina, é uma substância que impede que todas as árvores se curvem, é um polímero feito de unidades que são proximamente relacionadas à vanilina. Quando transformada em papel e conservada por anos, ela cheira bem. E essa é a maneira como a Divina Providência organizou as coisas para que os donos de sebos possam ter cheiro de baunilha, dando uma fome de conhecimento a todos nós.
Curioso, não é verdade?